Pensar cansa… Concentração e atenção.

Dificuldades de concentração e atenção parecem ser a mesma coisa, quando na verdade as semelhanças começam e terminam nas consequências pois as causas são diferentes e o conceito também, embora sutil, possuem diferenças importantes de se avaliar.

Atenção é muito mais uma forma ativa de agir estando sucetível aos estímulos corretos ou seja estar “antenado” ao que acontece em torno do foco principal.

Se você está dirigindo, é importante prestar atenção ao que está em volta, pois muitas vezes, dirigimos automaticamente e não ficamos muito preocupados com a troca de pedais, praticamente já virou um hábito e por isso, nosso corpo se acostuma a esta tarefa nos dispensando do imenso esforço que é para coordenar essas ações nos primeiros passos ao volante. Uma vez isso estabelecido, temos de ligar a atenção ao que nos circunda ou seja: Desconcentrar do ato de dirigir em sí e ampliar nossa visão.

Concentração é uma forma restrita de agir afim de que se consiga realizar uma tarefa que exija um grau de cuidado e que foca na ação e persegue o ideal de não sofrer influências externas, muito menos de internas, na ação que se pratica. Isso ocorre muitas vezes quando a novidade nos encanta, provoca nossas sensações, nos instiga a buscar, conhecer e etc.

Portanto, podemos fazer um paralelo entre amplitude = atenção e foco = concentração.

Elas não são excludentes mas sim partes temporais de qualquer atitude e por isso, devem ser trabalhadas com o tempo para que sejam aperfeiçoadas.

Aprender é um composto das duas. O fascícinio não é a primeira coisa que deve ser levado em consideração, e sim a importância do que se está aprendendo, como integrante de uma etapa. Portanto, aprender algo exige muito esforço e energia para que se elimine as influências.

Anteriormente foi apontado as externas e muitos mais ainda as internas. Influências de ordem interna podem ser mais problemáticas que as externas, devido ao fato de que é muito difícil parar de pensar!

Quem já não perdeu minutos ou horas pensando sobre alguma coisa? Ou até mesmo o sono, pois os pensamentos teimavam em não parar?

Pois bem, a conta é simples.

Se você passa 15 min preocupado com alguma coisa, você gasta 15 min concentrado (gastando energia) simplesmente pensando, e acaba se fechando e restringindo a sua atenção, por exemplo, às soluções simples que estão em volta.

Você perde as chaves e está com muita pressa. O problema não é perder as chaves, e sim o fato de estar com pressa. É quase impossível não se preocupar mas a alternativas criativas podem resolver seu problema… ou não.

Veja, não estou dizendo que é melhor não pensar onde deixou as chaves, mas na maioria das vezes se você a perdeu é porque não as deixou onde costuma deixar, e se deixou algo ocorreu para elas não estarem mais lá. Seguindo pela lógica, ela pode estar perto, ou até mesmo muito longe de você. Você pode ter saido para por o lixo na rua e a  chave ficou presa no saco de lixo e…. foi-se. Como também ela pode estar caida muito próximo onde você as deixou.

Daí a grande importância da atenção. Perceber o entorno e as “conexões” entre lógica e ambiente nos permitem elaborar conclusões e a partir delas tomar atitudes. Na pressa, pode-se pedir para alguém ficar na sua casa, ou então desmarcar o compromisso ou até mesmo lançar mão de um cadeado ou qualquer coisa do gênero. Se for as chaves do carro, liga para um taxi… não tem dinheiro? Peça a um amigo e depois acerte com ele, peça ao vizinho ajuda, enfim… as soluções para o problema principal só serão encontradas se estiverem ao alcance de nossa visão e isso é papel da atenção.

Concentrar-se nesse caso é justamente focar em um item apenas e muitas vezes restringir muito a sua capacidade de julgamento.

Problemas emocionais, vindos do coração, de ordem financeira e entre tantos outros também nos deixam atordoados várias vezes e passam a nos exigir concentração quando na verdade o que precisamos é de atenção, mais uma vez.

A atenção nos permite olhar para fora da situação e perceber alternativas e até mesmo conectar a lógica do que acontece com a gente e nos permite não parar nossas vidas, permitindo que possamos caminhar e quem sabe pelo caminho não encontrar uma placa dizendo: contrata-se, ou alguém que sorria diferente para você e lance aquele elogio que muda o dia ou até mesmo ver o comercial de um banco que parcela sua fatura de cartão de crédito em inúmeras vezes rsrs.

A concentração é ruim?

Não, muito pelo contrário, ela é como dormir: essêncial, precisa de horário e local adequados. Porém se você dormir o dia inteiro, perde centenas de coisas do seu dia a dia. Por isso, concentrar é uma atividade que exige grande quantidade de energia e fatores preciosos que precisam ser respeitados.

Identifique o seu tipo de dificuldade e organize-se, pois pensar cansa muito, e a conta dos 15 min?

Se você estuda ou trabalha com algo que demanda alta concentração, organize-se pois o tempo de concentração efetiva e saudável não costuma ser longo mas costuma ser muito cansativo e se ele estiver bem organizado as chances de sobrar tempo para ter atenção são bem maiores.

Mas o que isso tem a ver com a conta?

Os 15 min é uma estimativa média de quanto de concentração efetiva conseguimos ter por hora em algo por esforço próprio, diferente de novelas e filmes (livros é assunto para outro post em produção) que usam todo um planejamento para que você se canse sim, mas que seja um cansaço que você não perceba. Afinal, ninguem consegue ficar vendo filme ruim por 1 hora seguido, ou o filme é bom e você, atraído, consegue permanecer ali se cansando passivamente, ou o filme é tão ruim que você aproveita o tempo do escurinho para uns “carinhos” rsrs.

Voltando: se 1/4 de hora é o tempo estimado de concentração em algo, então ao longo das 8h úteis que um trabalhador ou um estudante conseguem permanecer concentrados, apenas 2h são de efetivo. As outras 6h ou não são aproveitadas (na maioria das vezes) ou simplesmente servem para desestimular a pessoa pois ela sente que não “rende”.

O fato é que se conseguirmos usar as 6h para atividades que demandem atenção, para atividades que sejam mais analíticas sobre o “trabalho” em sí, estaremos aproveitando este tempo para despertar nossa criatividade e até mesmo aperfeiçoar o que ja foi feito.

No caso do trabalhador que nescessita pensar e criar essas 6h são tão importantes quanto as 2h de concentração. O estudante não fica atrás. Geralmente, após os 15 min de leitura e aprendizado o ideal é “desconcentrar” e tentar “praticar” o que se aprendeu. Seja no dever de matemática ou apenas exercitando a lembrança e reflexão sobre os fatos históricos e as suas correlações. Estar atento ao cenário da palhaçada da política brasileira e ser capaz de entender as raízes de nossos comandantes é um bom exemplo de como usar a “atenção”.

O texto está grande né? Pois foi de propósito, preparei um texto cujo tempo de leitura é de aproximadamente 5 a 10 min para alguém que leia em um ritmo mais moderado. A idéia é que o tempo restante de “concentração” seja economizado para que haja energia para uma “atenção” à lógica que isso tem em nosso dia a dia. Pensar demais cansa e nos inibe de prestar a devida atenção ao nosso redor.

Obrigado pela atenção

Tenham todos um ótimo dia!

Abraço

P.S.: As idéias surgem quando você arrisca prestar atenção a tudo que for possível!

Anúncios

Sobre Bruno Oliveira

Aspirante ao curso de Medicina Ver todos os artigos de Bruno Oliveira

2 respostas para “Pensar cansa… Concentração e atenção.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: