Arquivo da tag: infância

Se permitir

zona de conforto permita-se blog não pense

Sinto orgulho quando penso que conheci muita gente esse ano. Ouso até dizer que muito provavelmente foi o ano em que mais fiz isso.

Explico: Quem me conhece há muito tempo sabe que sempre fui bem tímido e ao longo dos anos isso foi se transformando em uma barreira em que ninguém entrava mas eu também não conseguia sair. Precisei de muita terapia de bar (com bons amigos) para observar e compreender isso, a melhor e pior viagem que você faz é a interior, pois nem sempre é agradável observar o que está lá, mas acreditem, é o primeiro passo para que algo mude.

Enfim, hoje tenho muito certo em mim que estou aberto a qualquer tipo de relacionamento, conhecer pessoas é uma delícia, pois cada uma delas é um universo a se explorar, ensinar e principalmente aprender.

Por ter passado por isso, consigo perceber com mais facilidade essa dificuldade nos outros e fico impressionado como tem gente assim. Pessoas que não se permitem realmente viver, não levantam um dedo para novas possibilidades, novos amigos e novas histórias. Nem ao menos tem idéia que são assim… esperam tudo cair no colo e senão cair: “Ah fazer o que, é a vida né…”

Dá vontade de dar um chaqualhão nelas e gritar: ACORDA!!!
Mas não digo nada. Eu entendo que cada um tem seu tempo, assim como eu tive o meu.

Quero contar duas histórias que ilustram bem o que quero dizer:

Um dia entrei no metrô de SP e ao lado do banco em que me sentei tinha um senhor, que aparentava uns 50 anos, lendo um livro que eu conheci na faculdade chamado “A sombra do vento” e resolvi comentar que era muito bom. Pronto! Foi o suficiente para ficarmos a viagem inteira falando sobre a história, outros livros, profissões e ainda me rendeu uma indicação para um trabalho de free lancer.

Algumas oportunidades aparecem de graça, mas outras meu caro (a), é você quem faz.

Tem gente que acha isso meio “lame”, mas eu com certeza não sou uma delas. Sempre usei a internet para conhecer pessoas e esse ano foi com mais intensidade. Um dia desses adicionei uma garota no facebook e logo trocamos msn. Assim que conversamos rolou uma afinidade tão grande que ficamos a tarde inteira trocando idéias, discutindo teorias, falando sobre gostos, musicas, pessoas…. e nós nunca tínhamos nos falado na vida! Hoje somos bons amigos.

kids blog não pense criança permita-se

É uma pena que quando crescemos, a maioria de nós perdes aquela empatia universal que toda criança tem, aquela vontade de conhecer melhor o que aparecer pela frente, sem preconceitos ou receios. Acredito que seja algo que precisamos reaprender depois de crescidos. Dizem que tudo pode se transformar com apenas uma mudança de atitude e eu sou a prova disso. Quando você abre seu coração para o mundo, muda a qualidade dos seus pensamentos e adiciona um pouco de coragem, tudo se modifica, tudo se transforma para melhor.

Então o que posso dizer, ou melhor, aconselhar é: Permita-se!
Sai da sua zona de conforto e desfrute tudo que o mundo pode te oferecer.
Ou fique sempre no mais do mesmo, a escolha é única e exclusivamente sua.

Beijo do gordo!

Anúncios

Mãe…Pai… me ensina o que é amar?

Mãe? Queria saber o que é o amor… Perguntei ao papai e ele disse pra eu perguntar a você.

Mas mãe, se eu sou novo para entender, por que você me diz isso todo dia? 

Pra eu entender o que me diz, preciso conhecer isso, não?

Você acha que eu não posso entender? Pode ser por eu não ser como os outros?

Mãe? Pai? Por que vocês não me tratam como um ser humano que embora pequeno, vai crescer?

Eu não queria aprender o amor que o mundo me ensina. Na televisão outro dia, um jovem matou o outro por causa da namorada, ele ama ela? O outro amava ela? É isso que é amar então?

Já ouvi falar maravilhas desse amor, mas por que as pessoas choram? Por que dizem que estão sofrendo por amor?

Mãe, eu preciso de amor? Eu não acho que vocês se amam… Não do jeito que vejo na TV. Não do jeito que vejo casais jovens pela rua.

Por que vocês ficaram quietos? Vivem me dizendo que um dia eu vou aprender, que um dia eu vou entender, mas eu existo agora tá… assim só pra saber, não é que eu seja um psicólogo para já entender de sociedade, mas bem que eu queria estar preparado para entrar na vida.

As vezes você corre para a casa da sua mãe, mãe… por quê? Será que ela não te preparou direito para conhecer a vida?

A gente ama pra viver ou vive para amar? Será que se vocês me falassem, eu me tornaria uma pessoa menos insegura, mais ativa, com atitude? Pode ser né?

Mas que recusa é essa de explicar… vocês não sabem? O jeito é sair por aí perguntando, pesquisando. Só não me culpem depois, aprender o que é amor fora de casa, na rua, no cinema, com pessoas que talvez me ensinem da forma errada. Eu quase implorei para saber o que era amor.

Todos os dias, milhares de crianças imploram para saber o que é isso, e recebem de bala perdida, queimaduras, latões de lixo, prego no olho, empurrões, deslocamentos de ossos, fraturas, são humilhadas e estupradas… As poucas que recebem o contrário de tudo isso, crescem pessoas magnificas, por saberem o que é o amor, amam, por saberem como amar, amam, por saber de onde vem e para onde vai o amor… sonham.

Ninguém detem a verdade absoluta do que fazer ou o que pensar, mas só se consegue formular um pensamento se existe a base. A base sendo a familia, o amor, o carinho… com certeza essas verdades serão bem sólidas e úteis.

Lançar as perguntas para o alto e indagar Deus pelos problemas do mundo, recorrer a ele ou a instituição toda sempre que a coisa pega feia é uma das coisas que mais fazem esses pais… “Onde foi que eu errei meu Deus!!”… e Deus responde, sempre…

Nos deu olhos para contemplar

Nos deu coração para sentir

Nos deu boca para sorrir

Nos deu pernas para aproximar

 

Nos deu a natureza para ensinar

Nos deu a vida para sonhar

 

Nos deu braços e abraços…

 

Ele não deu amor, nos guiou

Para que com todos esses recursos

Pudéssemos construir o amor

 

Mãe, Pai… acho que alguém esqueceu

De concluir essa obra

De deixar todo mundo entrar

De abrir as portas e janelas

De pintar e decorar

 

Roubaram nossas ferramentas

Assim como roubaram

A união, a compaixão, a paciência,

A inocência, a brincadeira, o agradecimento

 

Mãe, Pai… o mundo não está louco

O mundo só está com muros demais

Fechaduras demais, jardins de menos

Não conhecemos nossos vizinhos

 

Mãe, Pai… acho que vou brincar aqui dentro mesmo.

Bom trabalho para vocês.